Cadastre-se
Esqueceu a senha?
Entrar
Veja por que a automedicação pode prejudicar a sua saúde
15 Maio 2018 | Categoria: Remédios
WhatsApp Facebook Twitter LinkedIn Send
A - A +
Enviar por E-mailX

Você pode enviar este conteúdo para até três amigo(a)s ao mesmo tempo.

+ 1 Amigo(a)

+ 1 Amigo(a)

Enviar Conteúdo
Tomar remédios sem a indicação de um médico está entre os maiores responsáveis por complicações no organismo
Data:
Cidade:
Você sabia que, ao se medicar sem a orientação de um médico ou profissional habilitado, corre grande risco de gerar consequências graves à sua saúde? Isso porque a automedicação está entre os responsáveis por complicações graves como reações alérgicas, intoxicações, dependências, aumento da resistência de micro-organismos e inibição da eficácia dos remédios, entre outras, de acordo com o Ministério da Saúde.

O uso descontrolado de analgésicos, por exemplo, pode mascarar doenças ou retardar o diagnóstico de um problema mais grave. Antibióticos utilizados sem necessidade podem tornar as bactérias resistentes. A definição da dose e frequência do medicamento também pode agravar quadros de saúde; ela deve ser feita exclusivamente pelo médico ou profissional de saúde capacitado.

Hábito brasileiro

Utilizar medicamentos por conta própria para tratar situações que podem ser consideradas simples, como uma dor de cabeça, resfriado, coriza ou até mesmo febre, tornou-se comum entre os brasileiros.

Segundo resultados da Pesquisa Nacional de Acesso, Utilização e promoção do uso racional de Medicamentos (PNAUM), publicados na 5ª edição do Boletim Científico IESS - Instituto de Estudos de Saúde Suplementar de 2017, 73,6% dos entrevistados confirmaram ter usado algum medicamento sem recomendação médica, se já tivessem usado pelo menos uma vez o mesmo produto.
 
Entre os entrevistados, 73,8% deles confirmaram ainda o uso de remédios existentes em casa mesmo não prescritos e 35,5% utilizaram alguma medicação não prescrita, mas com histórico de uso por alguma outra pessoa.

Diagnóstico correto

A boa notícia é que este cenário preocupante pode ser modificado com a mudança de comportamento e o cuidado redobrado com a saúde. A principal recomendação é procurar um médico para a garantia de um diagnóstico correto e preciso e, se necessário, do tratamento a ser seguido.
Fonte: G1

Comentar esta matéria

Comentários X

As opiniões expressas nos comentários são de única e exclusiva responsabilidade de seus autores e não expressam a opinião deste site. Comentários ofensivos ou que violem a legislação vigente serão suprimidos.


* seu e-mail não será publicado.
Enviar Comentário